Ciência e Tecnologia

Mapa divulga pesquisa sobre nutrição animal e meio ambiente

Inserido em 31 de Ago. de 2011 às 12:00

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) reuniu as empresas participantes da Diretoria de Aditivos e instituições de pesquisa em torno de um objetivo técnico comum: gerar informações nacionais relevantes sobre práticas adequadas em formulação de rações que garantam o desempenho zootécnico e econômico de aves e suínos em um cenário de preservação ambiental.

Com início em 2006, o projeto teve como objetivo avaliar os efeitos de diferentes estratégias nutricionais, como a utilização de aminoácidos industriais, de fitase e de minerais orgânicos, sobre o desempenho animal e a excreção de nutrientes (poluentes), criando uma base de dados nacionais, à semelhança do que já foi realizado nos países da Comunidade Européia.
Coordenado pela Diretoria de Aditivos do Sindirações, o projeto foi realizado com a colaboração de três instituições de pesquisa nacionais: a Universidade Federal de Viçosa (UFV), Universidade de São Paulo (USP) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuárias/Centro Nacional de Pesquisa em Suínos e Aves (EMBRAPA/CNPSA). Outras seis empresas associadas ao Sindirações – Adisseo, ADM, Ajinomoto, Danisco, Degussa, Novus e Sumitomo – custearam o desenvolvimento dos trabalhos e colaboraram tecnicamente em todas as etapas do projeto, cujo investimento foi de R$ 210 mil.
Análise e resultados
A sustentabilidade dos sistemas atuais de produção de aves e suínos é uma demanda de produtores e consumidores. O projeto foi idealizado a partir da preocupação com os possíveis efeitos ambientais da excreção excessiva de nitrogênio, fósforo e micro minerais que podem ocorrer nesses sistemas quando a nutrição não é aplicada de forma eficiente. Os aditivos nutricionais – aminoácidos, fitase e minerais orgânicos – são ferramentas nutricionais que permitem aos nutricionistas balancear suas rações de forma adequada, garantindo o aporte de nutrientes exigidos pelos animais, sem prejuízo ao desempenho zootécnico, reduzindo o excesso de nutrientes excretados para o meio-ambiente.
Para a análise, foram realizados ensaios de metabolismo de nutrientes e de desempenho animal com frangos de corte e suínos em fase de crescimento e terminação, distribuídos da seguinte forma: dois ensaios de metabolismo com frangos de corte, sendo um na UFV e um na USP; dois de desempenho com frangos de corte, um na UFV e um na USP; dois de metabolismo com suínos, um na UFV e um na Embrapa e; dois de desempenho com suínos em crescimento e terminação, um na UFV e um na Embrapa.
Os experimentos realizados demonstram que a utilização dos aminoácidos industriais, por exemplo, permite a redução do nível de proteína bruta na ração, evitando o excesso de aminoácidos e, consequentemente, diminuindo a ingestão e excreção de nitrogênio – além de propiciar o abatimento dos custos de formulação. Já a fitase permite reduzir a quantidade de fósforo inorgânico, pois libera o fósforo fítico contido nos ingredientes vegetais. Os minerais orgânicos, por sua vez, devido a suas maiores biodisponibilidades, reduzem a quantidade de micro minerais inorgânicos suplementados na ração.
Fonte: Canal Rural